Lomeutec - Tutoriais e Informação

Outra vez PETA? Essa implicância com os games?

  • Publicidade: Powered by Google

    O PETA é uma organização com uma boa intenção, que objetiva proteger os animais de situações de maus-tratos. Ultimamente o PETA - (sigla que em tradução livre para o português significa "Pessoas pelo Tratamento Ético aos Animais") - decidiu expandir um pouco o campo de atuação. O mundo real já não é o bastante, porque também não proteger os animais em animes e jogos de vídeo games? Pois é, e não é a primeira vez. O jogo do Mario (que Mário?) já foi alvo de críticas dessa organização que acusava o encanador de passar uma idéia errada, que aquela roupa de guaxinim que dava ao personagem poderes para voar... - (desculpe, aqui tive que dar uma boa pausa até conseguir parar de rir).

    ... Que aquela roupa de guaxinim era de um animal que tinha sido esfolado vivo. Eu não estava rindo pela hipótese de um animal ser esfolado vivo e sim por causa do pensamento deles que é muito lógico, afinal além de ser um video game - algo que retrata fielmente a realidade assim como filmes, seriados, desenhos e afins - todo mundo sabe que guaxinim voa. Por isso vestimos roupas de guaxinins que são ótimas para escapar do trânsito.

    Ok, já falei demais do que passou, vamos ao que está acontecendo. Agora o PETA está atuando em causa dos Pokemons. Talvez para acabar com essa mania que a gente tem de colocar animais em bolas que são muito menores que seus corpos - (situação plenamente possível na física do mundo real) - deixá-los aprisionados lá e tirá-los somente na hora de pô-los para brigar.

    Falando sério, se você assiste um filme do Homem aranha, isso não fará você sair por aí procurando ser picado por uma aranha na tentativa de ganhar super poderes. Da mesma forma são os video games, são coisas feitas para entreter e se você não consegue ver a diferença disso para o mundo real, o problema não são os jogos, nem a TV, nem as histórias em quadrinhos, nem etc, o problema é você. Vai se tratar com um psiquiatra!

    Joguei muito video game na minha infância, jogo até hoje e não me tornei um psicótico ou tive vontade de comprar armas para sair atirando por aí depois de jogar FPS, não me tornei viciado e pastilhas alucinógenas que criam visões fantasmagóricas depois de jogar PAC-MAN, nunca saí por aí pisando em tartarugas.

    Casos de pessoas que comentem atrocidades, seja com animais ou pessoas, estão sendo associadas burramente aos gamers por causa de idéias como dessa organização. Não faz nenhum sentido. Que lógica é essa que pode ser aplicada aos jogos, mas deixa de fora outras formas de entretenimento como os filmes por exemplo?

    Tanto o anime quanto o jogo Pokemon são basicamente animais sendo postos para brigar. Eu concordo com isso, mas é FANTASIA! Não é para ser trazido para a sua vida real. Já falei, se você se deixa se influenciar tão facilmente a ponto de não conseguir separar o real do fictício é porque você precisa de ajuda profissional. You Crazy?

    O legal é que o PETA usa jogo de video game para criticar os jogos de video games. Veja nos links abaixo.

    Jogue a paródia do Pokemon criada por eles. Esse é bem legal, gostei!

    Pokemon Black & Blue

    Mas esse outro para mim é muito bizarro.  Esse jogo mostra um guaxinim que foi esfolado correndo atrás do Mário para recuperar a pele que ainda está pingando sangue.

    Mario Kills Tanooki

    Peta que pariu hein!?

    Recomendação: Se você leu e não entendeu o texto, volte ao início e leia novamente com o modo sarcasmo ligado.

    Nilton (LOMEUTEC)
    É formado como técnico em informática com ênfase em análise de sistemas e programação comercial. No entanto gosta mesmo é de fazer publicações para o blog lomeutec.blogspot.com onde compartilha grande parte do pouco conhecimento autodidata que adquire através de experiências, estudos diários e até mesmo de tudo aquilo que descobre enquanto navega despreocupadamente pela internet em seus momentos de ócio. Aqui no LTI acumula funções de publicador, moderador, editor, administrador e o que mais for possível e necessário.